14 novembro 2012

Breve história de quase tudo


Digamos que o título que Bill Bryson deu ao seu livro – Breve história de quase tudo – se adapta muito bem ao seu conteúdo. De facto, o livro aborda várias temáticas da ciência o que foi ótimo para enriquecer a minha cultura científica, apesar de já ter conhecimento de vários factos narrados no livro como, por exemplo, a altitude condicionar a reprodução humana. 
Embora tenha gostado da forma como são abordados os temas, considerei um pouco enfadonho algumas partes relativas à biografia dos cientistas, no entanto, fiquei a saber que muitos não viviam “num mar de rosas”. Também não apreciei o facto de Bill dar todas as atenções à magnetosfera da Terra, que nos protege dos ventos solares e radiações provenientes do espaço e nem sequer mencionar que a heliosfera também tem um papel considerável na proteção da Terra das radiações do espaço.
            Adorei algumas comparações feitas que me permitiram compreender melhor os temas abordados. É o caso de o valor da constante de avogadro ser equivalente ao número de copos de água contidos no oceano pacífico. Ou que um átomo está para o comprimento de uma linha de um milímetro como a espessura de uma folha de papel está para a altura do Empire State Building.
E outras curiosidades como se nos sentarmos numa cadeira não nos estamos a sentar verdadeiramente, mas a levitar sobre a cadeira á altura de um angström. E que temos seres incríveis como as mixocenas que em ambiente favorável são bactérias simples similares às amebas mas quando o ambiente se torna desfavorável transformam-se em lesmas. Posteriormente transformam-se ainda em esporângios.

Ana Malheiro, nº3, 11ºD

Sem comentários: