14 novembro 2012

A MÁQUINA DO TEMPO


A MÁQUINA DO TEMPO

Esta obra é o marco inicial da ficção científica a propor o conceito da viagem no tempo usando um veículo e assim permitindo ao seu operador ir para qualquer época.                    
O começo desta obra, assim como vários e vários livros, é lento e, por vezes, de difícil compreensão. A maneira como Wells escreve, até por ele ser de uma época mais distante daqueles livros em que eu particularmente estou acostumada a ler, fez parecer o começo mais formal do que o necessário. Mas passando essas impressões de início, o livro melhora muito a partir do momento em que o Viajante do Tempo começa a contar a sua história. E, por sorte, isso acontece logo depois do início.                          Sinceramente, se eu fosse o Viajante do Tempo teria ido para uns 40/50 anos no futuro, mas ele foi muito mais além, milhões e milhões de anos à nossa frente e acabou por encontrar uma civilização mais do que estranha. Em que aqueles que mais “parecem” com os humanos são vistos como carne de gado para os seres de baixo, que provavelmente - pelo menos pelas suposições do nosso Viajante do Tempo - são também nossos ancestrais. É como dizem, no fim nós voltamos ao começo.                      
Em suma, apesar do próprio Wells não considerá-lo grande coisa, e no final não descrever nem a máquina do tempo e nem nós descobrirmos como a civilização foi acabar daquela maneira, a Máquina do Tempo é um ótimo livro e esteve à altura das minhas expetativas.


Susana Rêgo Araújo Nº25, 10ºA

Sem comentários: