29 maio 2011

A terrível verdade sobre o tempo, por Mónica Araújo

Nome do livro: A terrível verdade sobre o tempo
Autor: Nick Arnold
Ilustrador: Tony De Saulles
Editora: Publicações Europa América



O livro que eu li, durante as férias, era bastante interessante e tinha como título “A terrível verdade sobre o tempo”.
Logo pelo título do livro, podemos deduzir que vamos entrar numa história onde o tema principal é o tempo _ como é contado, quem o descobriu, quem inventou as primeiras formas de saber o tempo que falta, …
Após ter lido o livro, fiquei a saber várias coisas, como por exemplo, “ o que é o tempo?”. Segundo os cientistas - que acreditam que o tempo e o espaço fazem parte da mesma coisa - o tempo é a existência continua do universo, e teve o seu início com uma grande explosão denominada ‘ Big Bang’.
Uma curiosidade muito interessante que é possível ler numas das páginas deste livro, é que a menor quantidade de tempo é de seiscentos milhões de biliões de biliões de biliões de biliões de um minuto, que tem como nome ‘o tempo de Planck’, nome dado devido ao cientista alemão – Max Planck.
Vários outros cientistas também fizeram várias proezas para descobrir a melhor forma de contar o tempo, como fez o inglês Jonh Harrison que construi vários cronómetros, para que o tempo fosse medido com mais exactidão. No entanto, o Comité demorou muito tempo, mais de 40 anos, a reconhecer a obra deste homem. Também antes de Harrison, muitos outros cientistas tentaram corrigir o calendário para que não houvessem segundos a mais no último dia do ano, pois ao fim de vários anos, estariam perdidos vários dias. Foi o que fez o italiano Luigi Lilio, que explicou que “se tirarmos 10 dias ao calendário, impedimos que as coisas corram mal de novo se cancelarmos o ano bissexto três vezes em cada 400 anos”, isto é: qualquer ano que terminasse em ‘00’ não era ano bissexto, a não ser que fosse divisível por 400. No entanto houve uma grande injustiça, pois este senhor morreu antes de dar a conhecer a sua descoberta, tendo sido o papa Gregório que deu a conhecer esta ideia, chamando-se assim “calendário Gregoriano”.
Também Albert Enstein ajudou em muito a ciência com os seus magníficos cálculos.
Uma outra curiosidade é que os primeiros relógios que apareceram em 1280, só tinham um ponteiro – o ponteiro das horas, sendo por isso bastante inexactos.
Também fiquei a saber que dantes os relógios tinham uma parte que marcava o tempo no relógio – o pêndulo. Mas antes disso, os astrónomos cronometravam o tempo através das estrelas que se moviam através do céu, forçando as crianças a balançarem o pêndulo e contarem o número exacto de oscilações.
Já no final do livro, também fiquei a saber que o universo não vai parar de crescer, mas a uma velocidade inferior.
Desta forma, é possível concluir que embora se tenham descoberto diversas coisas acerca do tempo, este tema será para todo o sempre um grande desafio e um grande mistério.


Opinião pessoal:

Na minha opinião este é um excelente livro que fala muito bem acerca do tema apresentado de uma forma bastante clara e que todos conseguem perceber.



Nome: Mónica Araújo
Turma: 10ºE
Número: 19

Sem comentários: